Startup cria dispositivo que monitora o uso correto dos Sistemas de Ar Condicionado

Com o aumento do número de casos de coronavírus no Brasil, surgem dúvidas sobre o uso desse Sistema em ambientes fechados como hospitais, shopping centers e outros locais. 

Para não haver problemas e complicações na saúde é necessário medir a Qualidade do Ar Interior nos locais que possuem sistemas de Ar Condicionado. Para isso a Omni-electronica, startup do Cietc (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia), desenvolveu um dispositivo que monitora os principais parâmetros relacionados à Qualidade do Ar como temperatura, umidade relativa, concentração de CO2, compostos orgânicos voláteis e Material Particulado.

O CEO da startup, Arthur Aikawa, explica que é essencial que haja a renovação do ar no ambiente para garantir um ambiente interno salubre e manter a boa Qualidade do Ar interno. “As micro -gotículas com vírus e bactérias podem ficar até três horas suspensas no ar, por isso, é importante que os hospitais continuem usando sistemas de Climatização nos ambientes internos, porém, de forma adequada”, explica o pesquisador. 

A tecnologia brasileira, batizada de dispositivo Spiri, ajudar a checar a Qualidade do Ar Interior, verificando se o equipamento está sendo usado corretamente. O dispositivo fornece dados, relatórios, alertas e visualizações personalizáveis capazes de monitorar a salubridade do ambiente, além de monitorar normas e padrões de condições de trabalho, por meio de uma rede de sensores Mesh Low Power, com alcance de até 100 metros entre cada ponto de monitoramento e, segundo Aikawa, com consumo energético baixo.  Ele ainda informa, que a solução pode ser usada em ambientes residenciais, escolas, hospitais, escritórios, academias ou em qualquer ambiente com sistema central de HVAC.

Dispositivo Spiri.

Mau uso do equipamento – De acordo com Aikawa, o problema está no uso incorreto do equipamento aparelho. “Além de as pessoas não terem compreensão da Qualidade do Ar em ambientes internos, a maioria dos locais utilizam um equipamento  do tipo split, muitas vezes sem renovação e a devida manutenção.

Ele ainda aponta outro erro com relação ao uso do sistema de Ar Condicionado, que é não respeitar as normas vigentes a respeito de temperatura e umidade relativa adequadas. Segundo a Resolução nº 9 da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a faixa recomendável de temperaturas em ambientes internos para o verão deve variar entre 23 a 26 °C.  Já para o inverno, as condições internas oscila na faixa recomendável de operação, que deverá variar entre 20 a 22 °C. “Caso o local esteja com uma temperatura muito abaixo do recomendado pela Anvisa, isto poderá implicar em uma situação prejudicial para o sistema imunológico dos usuários , acarretando em uma manifestação mais severa dos sintomas do coronavírus após a contaminação, por exemplo.”, ressalta Aikawa.

Riscos – É importante frisar que tanto o equipamento de condicionador de ar quanto um sistema de Climatização de maior porte não propaga o vírus, mas o seu mau uso pode trazer dois principais riscos para a saúde como : o aumento da probabilidade de contaminação entre indivíduos, se houver alguém infectado no local e a ventilação for insuficiente; e o enfraquecimento do sistema imunológico, por condições de temperatura inadequadas, acarretando uma manifestação mais severa dos sintomas da doença, após a sua contaminação.

 

 

COMPARTILHE