Sustentabilidade: Daikin anuncia fabricação em Manaus (AM) de produtos com o fluido R-32

A Daikin, fabricante mundial de ar-condicionado anuncia nova Linha de produtos operando com o fluido refrigerante R-32, produzidos em sua planta fabril, em Manaus (AM). Nesta primeira fase, o R-32 será utilizado na Linha EcoSwing Smart de splits residenciais unitários – disponíveis nas capacidades 9.000 Btu/h, 12.000 Btu/h e 18.000 Btu/h, nas versões Só Frio e Quente/Frio -,  mas a empresa já planeja a transição para a Linha Multi Split. Segundo  testes, o Split EcoSwing Smart promove maior eficiência energética (desempenho da Linha no InMetro: IDRS até 7,2 – Classe A já no nível de 2026) e menor impacto ambiental, além de ser 16% mais econômico, se comparado com a linha Split Advance.
Sobre o novo compressor EcoSwing, a multinacional japonesa, divulga que, especificamente para utilização com o R-32, ele torna o equipamento mais eficiente, apresentando menor vibração, uma vez que o compressor utiliza imãs de Neodymium, motor com relutância variável DC, que, conforme informa a Daikin, é 20% mais eficiente do que os motores dos compressores do tipo inverter tradicional, resultando em maior capacidade com menor consumo de energia. “Trata-se da 4ª geração de compressores e emprega a tecnologia Swing exclusiva Daikin, sem vazamento de fluido refrigerante, com menos vibração e otimizado para operação com fluido R-32. Assim, a Linha entrega garantias superiores: 2 anos no produto total e 10 anos para o compressor”, explica a empresa, que acrescenta: “Outra grande novidade da linha EcoSwing é a conectividade. Através do aplicativo Daikin Smart AC, o equipamento poder ser monitorado e controlado remotamente por um smartphone, que permite controlar o aparelho nas funções: Liga/desliga, controle de temperatura o fluxo de ar, nomear os ambientes, programar horários, entre muitas outras ações.  O app Daikin Smart AC é compatível com assistentes de voz Google e Alexa e está disponível nas plataformas Android e IOS”, informa.

A Linha Eco Swin Smart ainda oferece dupla filtragem, denominada Silver Ion, em que o filtro é composto por íons de prata que eliminam as bactérias, odores e mantém o ar do ambiente seguro e limpo. “Os íons de prata são amplamente usados como antimicrobianos, atuando também contra alérgenos como o pólen, para garantir um suprimento constante de ar limpo e agradável no ambiente”, divulga a Daikin. Com design diferenciado, esta Linha de split possui a condensadora mais compacta do mercado na opção de 18.000 Btu/h e toda a Linha EcoSwing Smart vem com controle remoto com Backlight, que é uma luz de fundo, permitindo ao usuário localizar facilmente as funções do visor à noite ou em ambientes escuros, além do “LED OFF”, que apaga ou reduz o brilho dos Leds da evaporadora, tornando o ambiente escuro e agradável. De acordo com Leandro Lourenço, gerente de Engenharia de Produto da Daikin Brasil, o fluido refrigerante R-32 impactará o mercado brasileiro de HVAC-R de forma positiva, uma vez que permitirá uma transição tranquila de um cenário baseado no R-410A, com pressões de operação muito similares, bitolas e espessura de parede da tubulação compatíveis, assim como o óleo lubrificante, permitindo a migração tranquila para uma solução internacionalmente adotada, atendendo as exigências desde a Emenda de Kigali até o Protocolo de Montreal, que restringirá a oferta global de fluidos refrigerantes com alto impacto sobre o aquecimento global. “A Daikin foi a primeira empresa a aplicar a tecnologia inverter em 100% de sua produção nacional. Ser a pioneira na fabricação de produtos que utilizam R-32 significa manter e reforçar essa posição que faz parte da visão da empresa. O R-32 é um fluido refrigerante de menor impacto ambiental, já que possui baixo GWP (Global Warming Potential), índice utilizado para medir o potencial de aquecimento global dos gases que causam o efeito estufa”, informa Lourenço.

O gerente informa ainda que a eficiência energética é outra vantagem do R-32 em relação ao R-410A. Uma mesma quantidade (massa) de fluido R-32 tem cerca de 15% mais capacidade de transporte de calor do que o R-410A. Isso permite que os produtos possam ser desenvolvidos de forma otimizada, trazendo mais benefícios ao consumidor. A combinação das tecnologias inverter e R-32 representam o estado da arte em eficiência energética para condicionadores de ar residenciais, permitindo que se extraia o máximo de benefício. “O R-32 é um fluido com maior capacidade, eficiência e menor impacto ambiental do que o R-410A. Além disso, possui baixo custo de produção, uma vez que é um dos componentes do R-410A (o R-410A é formado por uma mistura de 50% R-32 e 50% R-125). Conclui-se que o R-32 é um fluido composto por uma única substância e não uma mistura, não tóxico, e apresenta um baixo grau de inflamabilidade (classificado como A2L conforme as normas ASHRAE 34 & ISO 817). Os sistemas desenvolvidos com R-32 também requerem uma menor quantidade de fluido em relação aos sistemas desenvolvidos com R-410A”, aponta Lourenço.

Treinamento e Divulgação – Com o slogan: “Um Time, Uma Razão”, a Daikin vem conduzindo uma série de ações convocando o mercado para fazer parte da seleção Camisa 10 no combate ao aquecimento global e contribuir para um planeta mais sustentável através de seus produtos com a nova geração do R-32. Estão sendo promovidos treinamentos on-line, com o objetivo de desmistificar a questão da inflamabilidade do R-32, considerada baixa e sem risco quando aplicado em sistemas de pequeno porte, como é o caso dos splits residenciais e multi-splits. Técnicos e instaladores poderão conhecer ainda as características do fluido; aplicação e instalação; boas práticas e ferramentas, entre outras abordagens. Lourenço destaca os procedimentos de manutenção e instalação: “Alguns cuidados que já eram necessários no manuseio do R-410A são reforçados nesses treinamentos para que permaneçam no R-32. Um ponto ressaltado é que, apesar da similaridade, não se deve utilizar o R-32 em um sistema desenvolvido para R-410A, e nem o contrário. Trata-se de um fluido diferente, com menor carga de refrigerante no ciclo e mais fácil de se fazer a carga, um fluido puro, sem risco de desbalanceamento, já que não é uma mistura, e pode ser reaproveitado em caso de substituição ou reposição durante a manutenção. Por estas e outras razões tornam-se necessárias ações como a divulgação e treinamento. A mudança será muito menos traumática do que a da mudança do R-22 para o R-410A. Ele acrescenta que a decisão de usar um determinado fluido refrigerante deve ser baseada no equilíbrio entre impacto ambiental, eficiência energética, segurança e viabilidade econômica. “Preocupados com os impactos do aquecimento global, cada vez mais países do mundo estão adotando políticas de redução do uso e consumo de gases que contribuem para o efeito estufa, equipamentos mais eficientes energeticamente, operados com segurança e retorno de investimentos. Na busca por atingir estes objetivos, o R-32 se apresenta como a opção mais adequada, um fluido já utilizado em larga escala no mercado mundial desde 2012, presente em mais de 100 países com aproximadamente 110 milhões de unidades de ar-condicionado vendidas”, destaca.

 

 

COMPARTILHE